BAHIA: DE TODOS “NÓS” e “ENTRAVES”…

E a velha justiça baiana...
E a velha justiça baiana…

Em sua página do Facebook o comunicador Osvaldo Oliveira trata de um assunto pouco “entendido” e “discutido”, o que ele chama de “rodízio dos magistrados”, inclui-se ai também os dos procuradores de justiça. Tendo a Bahia o Tribunal de Justiça mais antigo das Américas, um déficit no número de magistrados, serventuários, super salários, um dos mais lentos e poucos produtivos do Brasil, não seria de estranhar que somente um “rodízio” que poderia eles pensarem que irão resolver o problema de vacância nas comarcas baianas… E este “rodízio” de carne magra quem paga a conta é sempre a sociedade…

Há quinze dias Macaúbas perdeu o Juiz Dr. Julio Gonçalves, da Vara Civil, que foi transferido para a Comarca de Valença – na sexta (30/08) a Promotora de Justiça também irá atuar no Sul da Bahia, na Comarca de Gandu e para fechar o quadro a Promotora Drª Susila Ribeiro Machado se encontra de férias e logo após irá tirar licença maternidade.

Com o presente quadro, Macaúbas conta temporariamente  apenas com um Juiz,  Dr. Martinho Ferraz da Nóbrega, até que o Tribunal da Bahia  disponibilize ou faça outros “rodízios”…

Veja a seguir o “enigmático” texto de Osvaldo Oliveira.

IDEIAS DE UM LEIGO
Falando como tal que desconhece as regras de carreira de um magistrado, e sim como cidadão que sente e percebe os prejuízos causados a sociedade com a ausência desses profissionais, acredito que já se faz necessário uma discussão sobre o assunto por parte dos tribunais ou até mesmo uma interferência do Supremo sobre o que poderíamos chamar de “Rodízio dos Magistrados em Macaúbas”.

É visível o desalento daqueles que sonham com uma sociedade mais justa e depositam suas esperanças no ministério publico de sua cidade ver sonhos e projetos interrompidos pela saída de um juiz, um promotor ou outros funcionários públicos que desfrutem de prestigio e respeito em meio à referida sociedade, como é o caso da promotora de justiça, Doutora Rita que está deixando Macaúbas.

Sua postura a exemplo de outros nomes conquistou a confiança e a simpatia dos macaubenses. A sociedade seria beneficiada se esses profissionais pudessem permanecer por mais tempo residindo nas cidades para as quis foram designados?
Não causa esse rodízio um desestímulo a esses profissionais mecanizando suas ações?
As conquistas são frutos do encorajamento em exercer a cidadania, opine dê a sua sugestão, toda realidade nasce de sonhos e ações.” (Texto publicado no Facebook de Osvaldo Oliveira)


Os comentários estão fechados.