São iniciados na zona rural de Macaúbas “ciclos” pré-conferência em saúde. SUS é o tema central.

O Sistema Único de Saúde brasileiro, que também existe semelhante em outros países a exemplo do Reino Unido, Canadá, Austrália, França e Cuba. O modelo britânico, instituído em 1948, serviu de inspiração para o nosso e funciona de modo parecido. Os modelos britânico, canadense, australiano e cubano são custeados, assim como o SUS, pelos governos, com a coleta de impostos. Com o advento da pandemia do Coravanirus no Brasil, o SUS se mostrou como uma âncora que salvou milhares de vidas, tendo o Brasil uma incrível rede de unidades básicas de saúde espalhadas por regiões isoladas, deu na medida do possível uma resposta a imunização de sua população – não foi melhor, devido as interferências políticas e ideológicas do governo federal, revestido de ações irresponsáveis e de “negacionismo” e até de desvalorização da vida em face da economia!

Em Macaúbas o tema central da VI Conferência Municipal da Saúde, tem uma edição diferenciada, dando ouvidos e voz aos usuários do SUS no interior do município, nesta sexta feira, 15 – acontecem nas comunidades de Gameleira e Lagoa Clara, as primeiras sessões públicas. E isso deve ocorrem em outras comunidades. Fechando na sede do municípios entre  os dias 26 e 27 de outubro.

Imagem a partir de vídeo institucional da PMM

Em vídeo postado nas redes sociais, a Secretária de Saúde, Soraia Bizerra, fala da importância do SUS na pandemia e do tema: A Defesa do Sistema Único de Saúde para  além da pandemia; SUS para todos!. E diz que: …” Diversos segmentos da sociedade serão ouvidos e poderão participar da formulação das políticas sociais de saúde”. 

Essa é a sua oportunidade de participar e fiscalizar um dos melhores sistemas de saúde do mundo, pelo menos no que diz respeito ao seu conceito, visto que ele funciona muito bem em outros países. No entanto, no Brasil, um dos grandes gargalos é a corrupção e a má versarão dos recursos públicos, além das interferências políticas e ideológicas que vão de encontro a “filosofia” existencial do sistema!


Os comentários estão fechados.