Gravidez na adolescência: união de Ministérios tenta prevenir. E em Macaúbas como isso é tratada?

A prevenção mais além do preservativo, (foto Dilza Santos)

A notícia foi dada nesta semana por um conjunto de ministérios do governo federal, é certo que a política pública deverá ser estendida aos municípios, principalmente aos mais pobres e com menor potencial de encarrar este gravíssimo problema social. A percepção  do tamanho do problema é vista em números, em 2017, segundo o Ministério da Saúde, mais de 500 mil jovens brasileiras estavam nesta situação, quase 50% nos estados do norte/nordeste (sendo 25,58% norte e 21,30% no nordeste), o que mostra que a população mais fragilizada está exatamente na parte geográfica mais pobre.

A depender da ótica e da forma que os dados são apresentados por faixa etária, há dados que o Nordeste têm o numero de filhos com  mães adolescentes, com 32% (veja aqui) e isso depende muito do momento da pesquisa e seus métodos.

E em Macaúbas, quais são os números? Como é vista e encarada esta realidade? Há programas de acolhimentos? Há programas de prevenções?

Veja abaixo matéria relacionada a força tarefa a nível federal para o enfrentamento deste grave problema social que compromete não somente o futuro das jovens mães, mas sim de seus filhos, da família e de toda sociedade brasileira.

A prevenção da gravidez na adolescência estará presente na agenda intersetorial, envolvendo conjuntamente a participação de quatro ministérios. A implementação da nova medida deve se dar até 2022, e está garantida em carta compromisso assinada pelos ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Regina Alves; Educação, Ricardo Vélez Rodríguez; e da Cidadania, Osmar Gasparini Terra (Cidadania), que na oportunidade foi  representado pelo secretário Especial de Desenvolvimento Social, Welington Coimbra.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (8), em Brasília, e marca a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência (01 a 08 de fevereiro), instituída por meio da Lei 13.798, de 3 de janeiro de 2019.

Durante a assinatura do documento, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, destacou a importância do compromisso. “O Grupo de Trabalho será interministerial e passa por sua agenda o acompanhamento, monitoramento e propositura de todas as ações e consolidações dos dados relacionados ao tema. Os ministérios precisam trabalhar com os mesmos números, mesmas situações e seus desdobramentos”, destacou o ministro.

De acordo com o Ministéria da Saúde, a Carta prevê uma agenda de trabalho conjunta, articulada e permanente envolvendo as quatro pastas. Diferentes setores da sociedade e gestores públicos serão convidados a participar da agenda para a construção de estratégias prioritárias, a serem avaliadas e atualizadas anualmente durante a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.”


Os comentários estão fechados.