Concurso para professores e coordenadores foi o primeiro com regime de 40 horas na rede estadual

Fotos: Geraldo Carvalho
O concurso para educadores da rede estadual, cujas nomeações foram publicadas nessa quarta-feira (16), no Diário Oficial, foi o primeiro realizado na rede estadual com carga horária de 40 horas semanais. Os 2.089 professores e 200 coordenadores pedagógicos nomeados começaram a tomar posse no mesmo dia, na sede da Secretaria da Educação do Estado (SEC) e nos 26 Núcleos Territoriais de Educação (NTE), localizados no interior. Além destes, a previsão é que outros 398 coordenadores pedagógicos sejam nomeados quando o Estado da Bahia sair do limite prudencial de gastos com pessoal, em obediência à Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Esta decisão do Governo do Estado de dobrar a carga horária, em comparação a todos os concursos realizados anteriormente, demonstra o compromisso com a Educação. Assim, estes profissionais vão passar mais tempo nas escolas, tendo uma maior integração com a comunidade escolar, podendo dar mais prioridade às práticas de ensino e aprendizagem em sala de aula”, destaca a secretária da Educação em exercício, Isabella Paim.
Os coordenadores pedagógicos serão alocados nas 200 maiores escolas da Rede Estadual que ainda não possuem coordenação pedagógica. No ato de assinatura dos termos de posse é obrigatória a apresentação do diploma da Licenciatura para aqueles professores ou coordenadores pedagógicos que deixaram pendência deste documento na etapa anterior (de convocação) do concurso. Após a posse, os novos servidores serão encaminhados para as suas respectivas unidades escolares, onde irão assumir o exercício profissional.
É o caso de Marley Amaral da Silva, 25, que ficou em primeiro lugar na área de Física. “Já trabalhei por três anos na rede estadual, por meio do Regime Especial de Direito Administrativo (REDA), depois atuei em instituição privada e, agora, retorno para a escola pública com uma expectativa muito boa. Até porque já deixei um projeto encaminhado de atividades práticas no laboratório do Colégio Estadual Costa e Silva (na Ribeira). Estou muito empolgado com este retorno para a rede e, agora, como efetivo e com 40 horas semanais. Isto me dá possibilidade não só de maior ganho financeiro, como também de realizar um trabalho com maior dedicação, sem precisar, como era antes, ficar pleiteando o aumento de 20 para 40 horas”, relatou o professor.
A professora de Matemática Ana Paula Costa Cerqueira, 28, que também já acumula experiência de trabalhar como educadora da rede estadual através do REDA, fala de sua expectativa com a nova fase da carreira. “Após ter tido duas atuações no REDA, me sinto muito feliz e com uma enorme vontade de poder contribuir com o ensino da Matemática na escola pública de forma mais efetiva. Tenho, hoje, duas profissões, pois sou também advogada, mas a docência é a minha grande paixão, é algo que me emociona e me completa. Poder entrar na rede de ensino como efetiva significa criar um vínculo maior com a escola para melhor acompanhar os alunos. Além de ser o sonho de todo professor entrar na rede pública através de concurso, com todos os benefícios garantidos, é muito gratificante. E termos um regime de 40 horas é importante porque evita o nosso deslocamento de uma escola para outra, o que facilita bastante a vida do professor, e proporciona uma remuneração melhor, aumentando a nossa dedicação pedagógica”.
(Texto reproduzido do site: http://institucional.educacao.ba.gov.br/node/30463)

Os comentários estão fechados.