PM prende suspeito e evita roubo da lotérica de Boquira

Conforme nota da assessoria de comunicação da 4ª CIPM, oor volta das 16h00min, desta quinta feira 1º, a Guarnição do 3º PELOTÃO de Boquira, composta pelos  Soldado da PM,  Costa e Santos Silva, foi acionada via denúncia anônima, informando-a que cinco cidadãos suspeitos, coma as iniciais: COBN ,  GAS, AAAJ , ASA PPSA  e TAS (não divulgamos os nomes dos envolvidos para não atrapalhar as investigações e por se tratarem de suspeitos que ainda não foram julgados) –  de estarem envolvidos em um roubo de uma moto, tendo deflagrado também um tiro de espingarda no Senhor Deodato Elmiro de Souza, na data de na última quarta feira 31. Segundo informações, eles estavam domiciliados em uma casa na rua Ulisses Lima, 46, bairro Barreiro na cidade de Boquira. De imediato a guarnição se deslocou até o local mencionado, onde, percebendo a aproximação dos policiais,  dois dos suspeitosos (PPSA e TAS)  empreenderam fuga, pulando o muro da residência, abandonando documento pessoais e uma arma de fogo tipo revólver. O primeiro suspeito (COBN) foi detido e, ao ser questionado pelos policiais, confirmou a participação no fato ocorrido no dia 31, que os mesmos também planejavam um assalto à Casa Lotérica  da cidade de Boquira, ainda nesse mês.

Continua informando a PM que na casa dos suspeitos, também foi encontrada a motocicleta furtada no dia anterior ( Honda Bros 150 vermelha placa NZM 1359), ademais, foi confirmado pelos meliantes capturados que a quadrilha já havia roubado cerca de 8 motos nessa cidade. Dando continuidade à diligência, a guarnição deslocou até a residência do terceiro suspeito (AAAJ), que afirmou ter conhecimento dos fatos ocorridos, bem como o assalto que ocorreria a Casa Lotérica, onde denunciou também a participação do suspeito nº dois (GAS). Na tentativa de deter os demais integrantes da quadrilha, a guarnição se deslocou até a residência de um dos suspeitos, que ao proceder com a abordagem, o mesmo informou aos policiais que as armas utilizadas no crime estava em poder dos suspeito TAS, sendo 3 revolver  de calibre 38. Nesse momento, a Guarnição solicitou reforço ao 1º Pelotão em Macaúbas, e com o apoio do Tenente PM Menezes e do Soldado PM Kenzo, deslocaram  até a residência deste suspeti, tendo autorização da Senhora Maria da Glória (dona da casa) foi feita uma busca no interior da residência, porém não foi encontrado nenhum tipo de armamento. Todo material apreendido e os suspeitos K, G e A, foram apresentados na delegacia da cidade de Boquira em estado incólume para adoção das medidas cabíveis pela Polícia Civil e Poder Judiciário competente.

Segundo assessoria de comunicação da 4ª CIPM de Macaúbas, a ação foi pontual, que atendeu todos os protocolos, diz que nota que circula em rede social, após o ocorrido, sobre o assalto e tentativa de assassinato do cidadão supracitado, os envolvidos em sua maioria foram detidos e restabelecida a ordem, fazendo desta forma a sua parte a Policia Militar.

 


Material suspeito apreendido pela PM (Imagem cedida)

Em nota, a assessoria de comunicação da 4ª Companhia Independente da Polícia Militar da Bahia, com sede em Macaúbas, informa que operação realizada nesta quinta feira 18, no interior do município, levaram a prisão de diversas pessoas e drogas ilicitas, na operação estavam os militares, “efetivos de serviço”:  Tenente Menezes, Sd Guimaraes, Sd Jean Reis, Sd Silva Dias e Sd Andrade; cooperados pelo “efetivo de folga voluntário”: o solado Mota, Ramon e o PM Valney;

Segue nota informando que  “por volta das 06h00 do dia 18/01/2018 A guarda de serviço da 4°  CIPM foi informada via central,  através de denúncia anônima de que por volta das 13h00 chegaria a cidade de Macaúbas um guincho transportando um veículo modelo Celta, e que no mesmo estaria uma encomenda de drogas, de imediato o oficial de operações entrou em contato com a 46ª CIPM para que os milicianos dessa Uop tentasse  interceptar o veículo com as características naquela região, e também se deslocou juntamente com os policiais da 4ª CIPM, até o acesso da cidade, onde avistou o carro com as características passadas pelo denunciante, foi feita a abordagem e encontrado 226 papelotes de substância análoga a cocaína,  na posse de *Josiane* *Figueiredo* **Conceição*, que informou  estar trazendo a encomenda para *João* *Paulo* *Vieira* *Barbosa*,  e que o mesmo já teria ligado avisando que estaria indo pegar o material ilícito. De posse dessas informações os milicianos realizaram campana no local e flagrou o momento em que o mesmo pegava a  mercadoria. Neste momento foi dado voz de prisão aos envolvidos e posteriormente conduzidos à DEPOL para adoção das medidas legais.

Em nota a cooperação de Macaúbas agradece ao apoio prestado pelos militares da 46°Cipm que não mediram esforços e contribuíram para o sucesso desta operação. E finaliza informando que os cidadãos suspeitos: ;” foram conduzidos à Delegacia de Policia local. Entre os objetos apreendidos estavam: Um Guincho e um Celta, Um celular Samsung e 226 papelotes de cocaína”. Finaliza nota

A redação do blog não consegui identificar nem manter contato com os citados na nota da PM, no entanto deixa aberto espaço para que interessados possam se manifestarem caso tenham interesse, através do e-mail: [email protected]


Agora Carletto que o senado… (Imagem Reprodução)

A nota é do portal Políticos do Sul da Bahia que diz que o  deputado federal Ronaldo Carletto (PP) está se movimentando para se viabilizar como candidato ao senado na eleição de 2018. Para isso ele deve se filiar ao PR e levar vários deputados para o partido.

Nessa articulação o deputado indicou o seu assessor Vivaldo Gois para assumir o comando do PROS na Bahia. Ele levou para o partido os deputados Jurandy Oliveira, Manassés e Alan Castro. Nos próximos dias o partido deverá ganhar os deputados Reinaldo Braga e Nelson Leal.

Na outra articulação o deputado Ronaldo deverá levar para o PR os deputados Roberto Brito, Robinho, Luiz Augusto e talvez Aderbal Caldas. Ronaldo conta com o apoio do deputado federal João Bacelar (PR), que ficou noivo da irmã de Carletto.

Segundo uma fonte, o presidente do PR da Bahia, José Carlos Araújo, deverá ganhar 40 mil votos nessa articulação e viabilizar a sua reeleição, que foi complicada após o rompimento com o senador Otto Alencar (PSD).

“José Carlos Araújo é político profissional e quer sua reeleição, com a chegada de Ronaldo Carletto ele ganharia 40 mil votos, que seriam passados por Carletto, ACM Neto e o prefeito de Feira de Santana, Zé Ronaldo”, declarou um deputado federal que pediu anonimato.

A chapa de ACM Neto para 2018 ficaria formada tendo Zé Ronaldo como vice, e os senadores Ronaldo Carletto pelo PR e Jutahy Magalhães pelo PSDB.

Finaliza nota dizendo que sobre o PMDB, uma fonte informou que partido ganharia nessa articulação as prefeituras de Salvador, com Bruno Reis e de Feira de Santana, com Colbert Martins , e Zé Ronaldo poderia se filiar ao partido para fazer parte da chapa”

Caso isso se concretize quem deve solta foguetes é o ex-deputado Robério Nunes, o qual sairá fortalecido, pois é muito próximo a ACM Neto e Carleto, onde o mesmo é representante da oposição em Érico Cardoso.


Por Irlando Oliveira

Acompanhando, como a maioria dos brasileiros, o desenrolar da Operação “Lava Jato”, ficamos impressionados com a coragem do Juiz Federal Sérgio Moro. Tal operação representa a maior desarticulação de quadrilhas dos chamados crimes do colarinho branco já vistas no Brasil. A intrepidez do aludido magistrado é, na verdade, de causar espanto, ante os alvos já atingidos e aqueles prestes a alcançar!
A missão arrostada pelo Juiz Sérgio Moro nos leva a acreditar que somente espíritos de escol, da sua estirpe, conseguem levá-la a efeito com tamanho esmero, dedicação e persistência, colhendo frutos valiosos, caracterizados pelas inúmeras prisões havidas e a recuperação de um numerário expressivo de dinheiro proveniente das “negociatas” de políticos inescrupulosos.
Certamente, estamos diante de um espírito missionário, egresso de esferas ignotas que de lá se afastou para auxiliar na grande transformação do nosso planeta, através da qual passaremos de um mundo de expiação e de provas para um orbe de regeneração, já que um dos grandes empeços para tal mudança tem sido inexoravelmente a corrupção, a qual vem gangrenando o país através das suas modalidades mórbidas, prejudicando, sobremaneira, os avanços da nação, mormente aqueles situados no campo social.
Conforme já nos expressamos em outras oportunidades, qualquer alteração no campo social se dá a longo prazo, considerando o envolvimento de hábitos e costumes arraigados na sociedade. Assim, desejamos, fundamente, que a missão do citado magistrado possa concorrer para uma mudança substancial das maneiras perversas e odiosas que vêm sendo colocadas em prática por esse modelo espúrio de se fazer política, conduzidas por espíritos levianos que aqui se encontram – como a maioria de nós – para progredir!

* Por Irlando Oliveira
Na atual conjuntura do país, em que a segurança pública tem representado tema da mais alta relevância, ante o descaso das políticas públicas levadas a efeito por inúmeros governantes, e a extrema leniência da nossa legislação penal, os estabelecimentos escolares do ensino médio, principalmente, têm dado mostra, à saciedade, da preocupação derredor de algo que vem apoquentando a cabeça de muitos professores, alunos e familiares: a violência em meio escolar.
Aliado às inúmeras tarefas, as quais os profissionais de educação vêm se dedicando, sobretudo aquelas destinadas às atividades de regência de classe – sala de aula -, os mesmos, diariamente, sofrem com a crise pela qual passa a educação brasileira, em razão principalmente do clima de insegurança que toma conta das várias escolas do país. Alunos há, aos montes, que não mais respeitam os professores e seus colegas nas salas de aula, praticando descortesias de toda ordem, os submetendo a picos de estresse, fazendo-os somatizarem doenças em muitas das vezes, concorrendo, ainda mais, para o colapso da educação.
Percebemos, por outro lado, que cada vez mais as famílias tentam passar para as escolas a responsabilidade da educação de seus filhos – a educação familiar -, aquela que envolve os princípios éticos e morais, esquecendo-se que estes devem ser imprimidos no seio do lar e não na escola, a qual apenas complementa o processo educacional como um todo, já que, além de promover a educação escolar propriamente dita, é portadora de uma função social importantíssima, vez que enseja ao aluno uma vivência completamente diversa daquela experienciada no seio da família, conduzindo o Ser em pleno desenvolvimento da personalidade e do caráter ao exercício da cidadania.
Desta forma, casos de incivilidades e atos infracionais pululam nos ambientes escolares brasileiros, envolvendo desde as agressões físicas e psicológicas, perpassando por furtos, roubos, estupros, tráfico e uso de drogas, porte ilegal de arma de fogo, uso de arma branca, depredação da escola e até mesmo do veículo do próprio professor, este último como forma de desforço ante uma nota baixa, por exemplo. Nem o transporte escolar fica fora deste contexto caótico, pois há casos de ameaças, uso e tráfico de drogas no interior dos ônibus, durante seu itinerário.
Este cenário vem inquietando e conturbando o ambiente escolar brasileiro, exigindo uma nova dinâmica da atividade policial, vez que as polícias – mormente a militar – têm sido instadas a auxiliar neste particular, através das rondas escolares e de projetos, como forma de atenuar o quadro, e de ampliar a segurança num palco também formado por aqueles que compõem a clientela do ECA: crianças e adolescentes. Na Bahia, por exemplo, em larga escala, projetos vêm sendo aplicados nas escolas, como é o caso do Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) e o Projeto Ações Preventivas nas Escolas e Comunidades (Proapec).
Desta forma, entendemos que urge a necessidade de um olhar diferenciado por parte de todos os órgãos envolvidos neste complexo sistema, direta ou indiretamente, como CMDCA, Conselho Tutelar, Ministério Público, Judiciário, Prefeitura Municipal, Polícias Civil e Militar, comunidades, enfim, principalmente as famílias – célula máter da sociedade -, as quais têm deixado a desejar, já que, como sempre dissemos nas nossas palestras, se a família periclita a sociedade cambaleia!
__________________________________________________________________________
* Irlando Lino Magalhães Oliveira é Oficial da Polícia Militar da Bahia, no posto de Tenente-Coronel do QOPM, atual Comandante do 14º BPM/Santo Antônio de Jesus, e Especialista em Gestão da Segurança Pública e Direitos Humanos.

Corpo é levado para polícia técnica (Foto Macaubense Life)
Apelidado como “corredor da morte” uma estrada rural de chão batido, onde se tem notícia de alguns crimes “insolucionáveis”, mais um entra para o rol de um provável crime que deve ser caracterizado de duplo homicídio, e é certo que o Ministério Público deverá imputar ao autor (ou autores), outros em seu currículo pela ação que levou a morte de dois indivíduos, uma criança de dois meses e sua progenitora.
O caso é bastante conhecido em Macaúbas e região, proliferou rapidamente nas redes sociais, agora a TV deverá dar maior audiência ao caso, tomando proporções nacionais. Tatiane Santos Silva (32), dada como desaparecida desde a última quarta feira (09), quando supostamente teria ido a um Centro de Saúde na cidade de Macaúbas, por volta das 13h00, no entanto, foi encontrada morta em estado crítico de decomposição aos arredores da cidade no domingo 13, por volta das 10h00.
Momento da retirada do corpo para perícia (Foto Macaubense Life)
Segundo informações preliminares, a mulher teria sido assassinada a golpe de facão ou arma branca similar, na região da cabeça, pescoço e outras partes do corpo, as autoridades acreditam que o criminoso não agiu sozinho, certamente teve “cobertura” na ação e/ou até na prática do crime.
A polícia ainda não emitiu nota oficial do caso, as especulações se tratam de informações extraoficiais obtidas nos bastidores das investigações  que se seguem. Em rede sociais, policiais fazem campanha para que a comunidade coopere com as investigações, dando informações sobre o assunto. Certamente a Polícia Civil tem uma lista de suspeitos que já devem ter consciência do crime cometido e sua gravidade.
Um Crime Contra o Criador
Um Crime Contra o Criador:
Não deve ser visto como mais um crime contra a mulher, a infância  mas sim, contra a civilidade e, mais ainda, a própria humanidade e sua natural razão de: “Crescei e Multiplicai”um crime contra o Criador. Atentar contra a vida de um “ser” em procriação é apontar para o fim da raça humana, é o recado do “não querer” que a humanidade habite este planeta. O Ministério Público tem um importante papel no desenrolar deste fato desumano.

* Por Irlando Oliveira

No nosso período de formação, quando pretendíamos compor o oficialato da Polícia Militar do Estado da Bahia, na década de 80, sempre ouvíamos dizer da necessidade de sermos profissionais ecléticos, ou seja, de atuarmos em diversas áreas do conhecimento, o que é muito importante. Por outro lado, a sociedade vê a Corporação Policial-Militar tal qual panaceia, acreditando-a responsável por inúmeras atribuições, sendo que muitas das quais não nos dizem respeito, considerando a nossa missão precípua, à luz da Constituição Federal, que se traduz na polícia ostensiva e na preservação da ordem pública.
De uma ou de outra forma, a Polícia Militar vem atuando em diversas áreas na sociedade, nos seus mais variados campos de atuação profissional, como educação, assistências militares na justiça, ministério público, assembléias legislativas, dentre tantos outros, bem como na condução de alguns projetos sociais, emprestando o seu contributo como forma de agregar valor aos diversos segmentos, na tentativa de se buscar atenuar os inúmeros problemas sociais, geradores de conflitos, os quais sempre exigem a nossa intervenção.
Acontece, porém, que imprescindível se torna que atuemos direcionando os nossos esforços, a priori, para o cumprimento da nossa missão constitucional, assegurando segurança pública à sociedade, que tanto a almeja, para, aí sim, buscarmos atender demandas outras que também podemos atuar, como forma de se cobrir lacunas existentes, bem como contribuir para suavizar o caos social, através de ações preventivas, principalmente, atenuando, via de consequência, o nosso campo de atuação profissional.
Temos, nessas mais de três décadas de trabalho, constatado esforços sendo direcionados no sentido de atendermos demandas as quais não compõem o cerne da nossa missão constitucional, fragilizando e enfraquecendo toda uma estrutura voltada para a atividade finalística da PM, qual seja o policiamento ostensivo, através do qual se garantirá a preservação da ordem pública.


* Por Irlando Oliveira

Jamais houve tanta discussão sobre segurança pública no Brasil como na atualidade, preocupando a tudo e a todos, considerando os já insuportáveis índices de criminalidade sinalizados pelos inúmeros órgãos de estatística – com destaque especial para o Atlas da Violência, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) -, impondo aos gestores públicos substanciais modificações nas suas políticas de segurança, como forma de se tentar conter e/ou mitigar o impacto da violência na vida das pessoas.
Aliado ao significativo e infrene aumento populacional, e o desemprego ante a crise econômica que avassala o país, as cidades crescem e se desenvolvem de forma desordenada e carentes de infraestruturas básicas, criando ambiente favorável ao crime, que recrudesce a cada dia, não dando, sequer, oportunidade para o reaparelhamento dos Estados e de suas Forças, os quais se vêem “maniatados”, sem condições propiciatórias para a prevenção e o efetivo combate. Um sistema penitenciário decadente e mambembe, precedido por um fluxo processual penal cada vez mais necessitado de revisão, concorre para a leniência e para a impunidade que grassa em todos os seus entes federados, colocando o Brasil no cenário internacional como o “país da bandidagem”.
Por outro lado, vemos sendo dizimadas as hostes que compõem as Forças Policiais, por falta do devido recompletamento de seus quadros de efetivo, enfraquecendo e fragilizando a refrega contra os criminosos, os quais, por sua vez, a cada dia vêm se fortalecendo belicamente, ensejando um verdadeiro cenário de guerra urbana sem precedentes na história do país. Apesar dos inúmeros programas de governo, de redução da criminalidade, as ações colocadas em prática ainda não são suficientes para amenizar o quadro. Notícias, quase que diárias, nos dão conta de inúmeros policiais que sucumbem em pleno desempenho da profissão, sendo literalmente abatidos pelos criminosos, denotando total falta de respeito e destemor àqueles emblematizadores do Estado – porque em serviço e ostentando indumentária própria -, desafiando, assim, os poderes constituídos.
Desta forma, os cidadãos de bem, inobstante a carga tributária escorchante a que são submetidos neste país iníquo – sem retorno palpável de quase nada, porque desprovidos de serviços públicos essenciais como saúde, educação e segurança -, se vêem obrigados a criarem mecanismos de defesa, residindo, quando a situação financeira lhes permite, em condomínios fechados, evitando lugares públicos, dirigindo seus veículos com os vidros fechados e com películas de proteção, andando atentamente pelas ruas (quando necessário), escondendo bolsas, carteiras e celulares, sofrendo, assim, um abalo psicológico fruto dessa violência que permeia suas vidas, terminando, em muitos dos casos, por somatizarem doenças, enfim. Num cenário caótico como esse, não há como a violência não impactar negativamente as sociedades, impondo, cada vez mais, a nos voltarmos à análise acurada do preceito constitucional através do qual se estabelece que segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, conduzindo-nos à incessante busca de soluções para solvermos um problema tão complexo.
_________________________________________________________________
* Irlando Lino Magalhães Oliveira é Oficial da Polícia Militar da Bahia, no posto de Tenente-Coronel do QOPM, atual Comandante do 14º BPM/Santo Antônio de Jesus, e Especialista em Gestão da Segurança Pública e Direitos Humanos.