* Por Irlando Oliveira
Bastaram mais de doze anos de atuação no cenário político brasileiro para percebermos os efeitos danosos e perversos da esquerda brasileira que, sob o eterno argumento de uma pseudo igualdade social, concorreu para o estabelecimento dos piores índices já registrados, em todas as áreas, promovendo um verdadeiro caos no país, atualmente marcado por uma anomia invulgar.
Como um verdadeiro plano diabólico e maquiavélico traçado, ao longo desses últimos anos tudo foi devidamente planejado e arquitetado para, dentre outros fatores, enfraquecer as forças armadas e policiais, principalmente, como forma de se instituir a anarquia e, via de consequência, o terror no país, criando condições propiciatórias para o desenvolvimento do crime, fator preponderante para a perpetuação no poder, consoante seus postulados infames. Nos valendo da “verbe” do escritor Olavo de Carvalho, é favorável à esquerda uma revolução não do proletariado, mas daqueles que praticam crimes e condutas antissociais. Daí esse cenário dantesco no país!
Concorreu, também, para a instabilidade econômica, levando o Brasil a atravessar uma das suas piores fases nesta área tão crítica, cujos reflexos amargam, dolorosamente, o comércio, a indústria e, consequentemente, as relações de compra e venda, penalizando, impiedosamente, os brasileiros, fazendo com que inúmeros empresários promovam suas manobras financeiras, a fim de se evitar a derrocada.
Graças a esse quadro aterrador, vemos, atualmente, vários Estados literalmente “quebrados”, sem condições até mesmo para custear as folhas de pagamento de seus servidores, fracionando seus salários, com destaque para o Rio de Janeiro, caso icônico de referência do reflexo desse caos instituído. O Estado Fluminense, que se encontra situado entre as sete maravilhas do mundo moderno, em razão de abrigar o Cristo Redentor, sofre, penosamente, ante a criminalidade que atinge o seu apogeu, não havendo registros piores nos anais da sua história, como os sinalizados atualmente, amargurando prejuízos incalculáveis em todas as áreas, principalmente no turismo.
Não podemos olvidar que na gestão esquerdista foram identificados no Brasil os maiores casos de corrupção comprovada, cujos exemplos estão aí, à saciedade, constatados através da mídia, sendo destaque em qualquer jornal, conduzindo o país à incredulidade no cenário internacional.
Enfim, são tantos desapontamentos que nos levam à revolta, à insurgência mesmo, principalmente quando percebemos a “cegueira” de muitos brasileiros que se deixam levar por discursos vazios, através dos quais não se pensa na promoção da dignidade humana, em todos os sentidos, mas na “máxima” vil e abjeta de “matar a fome dos brasileiros”, como se a nação estivesse na total penúria, necessitando de esmolas, se instituindo uma política meramente assistencialista, através da qual – como já dissemos – tenta-se dar o “peixe”, ao invés de se ensinar a pescar!
__________________________________________________________________________
* Irlando Lino Magalhães Oliveira é Oficial da Polícia Militar da Bahia, no posto de Tenente-Coronel, escritor, ensaísta e especialista em gestão da segurança pública e direitos humanos.

Conforme nota da Assessoria de Comunicação do Colégio José Nogueira (CNJ), foi realizada durante esta sexta feira , 24  – das 8 às 17 horas, a 8ª FEIRA DE CIÊNCIAS, ARTE E TECNOLOGIA (FECIARTE) do COLÉGIO JOSÉ NOGUEIRA. Com o objetivo de expor estudos e atividades desenvolvidas pela FAMÍLIA CJN durante o ano letivo de 2017, o evento desenvolveu as seguintes temáticas:

· CJN E OS ALIMENTOS FAZEM A FESTA;

· CJN APRENDENDO COM O MUNDO DO CIRCO, SEM MEDO DE SER FELIZ;

· CJN BRINCANDO DE TRÂNSITO;

· CJN RETRATA A IDENTIDADE E A CULTURA DA BAHIA;

· CJN PROPORCIONA UMA VIAGEM AO PLANETA TERRA;

· CJN EM “BRASIL, MOSTRA A TUA CARA.”;

· CJN RETRATA AS REVOLUÇÕES;

· CJN CONTEXTUALIZANDO BOTÂNICA;

· CJN E OS GAMES (MATEMÁTICA);

· CJN APRESENTA O SHOW DE FÍSICA.

E finaliza nota: “E mais um ano, abrilhantando nossa FECIARTE, contamos com a visita dos familiares dos nossos alunos, das escolas municipais e da comunidade. A todos, os nossos mais sinceros agradecimentos!


* Por Irlando Oliveira

Lendo o pequeno grande livro de Joanna de Ângelis – Espírito -, intitulado Vida Feliz, através da psicografia de Divaldo Pereira Franco, nos deparamos com um capítulo denominado “Estuda sempre”, em que a autora nos convida à eterna busca do conhecimento, nos estimulando ao saudável hábito da boa leitura. No referido capítulo pudemos extrair uma frase lapidar, a qual já fizemos constar em dois trabalhos monográficos nossos, pois entendemos ser a mesma perfeita! Ei-la: “O conhecimento é um bem que, por mais seja armazenado, jamais toma qualquer espaço. Pelo contrário, faculta mais ampla facilidade para novas aquisições”.

Tal axioma estabelecido pela nobre autora nos dá a real dimensão da importância da infinita busca da essência da gnose – conhecimento -, como “ferramental” imprescindível ao auxílio do entendimento das coisas da vida, já que esta é eterna e estua nas várias dimensões e planos. A ignorância representa bloqueio ao nosso progresso como espíritos imortais que somos, obnubilando nossa mente e, via de consequência, nosso raciocínio, pois sempre faltarão dados para formarmos juízo de valor, tornando difícil o entendimento.

O conhecimento é multifacetado, se nos apresentando nas inúmeras áreas do saber – as quais tangenciam, inevitavelmente, as nossas vidas -, representando conquista nobre para a nossa evolução, considerando que esta se dá tanto no campo intelectual, quanto no moral, favorecendo o avanço da nossa escalada quando logramos ambos os campos, o que representa empreitada por demais difícil, porém não impossível.

Sábios da antiguidade sempre reconheciam as suas “insignificâncias” ante a busca do conhecimento, considerando que, cada vez que achavam que “sabiam”, percebiam que “muito pouco compreendiam”, fazendo com que o grande filósofo grego Sócrates, por exemplo, sempre dissesse que “só sabia que nada sabia”. Essa era a máxima socrática! O Cristo, por sua vez, teve o ensejo de dizer: “conhecereis a verdade e esta te libertará”, convidando-nos à análise acurada dos fatos, estudando-os detidamente! E complementou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, apontando-nos o rumo a seguir e, naturalmente, a decifrar!

Desta forma, entendemos que muito há a percorrer entre o conhecimento empírico e o científico. Contudo, jamais podemos nos ufanar em imaginar que somos “intelectuais”, pois a nossa língua é tão paupérrima a ponto de simplesmente não podermos compreender mensagens de outras dimensões, justamente em razão de carecer-mos de elementos que pudessem subsidiar o nosso discernimento! Esmorecer, jamais! Devemos porfiar e perquirir sempre, pois, nesse processo, do solilóquio chegaremos ao diálogo, através do qual naturalmente haverá de facilitar uma melhor compreensão e um melhor entendimento daquilo que representa motivo de nossa inquietação.

_________________________________________________________________________
* Irlando Lino Magalhães Oliveira é Oficial da Polícia Militar da Bahia, no posto de Tenente-Coronel, escritor, ensaísta e especialista em gestão da segurança pública e direitos humanos.


As experiências criativas dos estudantes da rede estadual retratadas em 94 obras estarão expostas na 9ª Mostra de Artes Visuais Estudantis (AVE), dentro do 5º Encontro Estudantil da Rede Estadual, de 21 a 23/11, na Arena Fonte Nova, em Salvador. O Encontro será aberto ao público, das 8h às 18h, e reunirá, ao todo, mais de 4 mil estudantes dos 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE), que irão apresentar, ainda, projetos de ciência, esporte, cultura, empreendedorismo, inovação, tecnologia e de intervenções sociais.

Pelo AVE, o público visitante poderá conferir quadros, através dos quais os alunos revelam a sua percepção de mundo – seja pela vida cultural, social, política ou religiosa – que os cerca. Este projeto tem o objetivo de estimular a criação de obras de artes visuais nos contextos escolares, assim como a va­lo­ri­zação das ex­pres­sões cul­tu­rais re­gi­o­nais, visando a am­pli­ação do co­nhe­ci­mento. Os estudantes que irão expor no Encontro Estudantil passaram por seletivas escolares e territoriais, durante o ano letivo de 2016.

A coordenadora de Projetos Intersetoriais da Secretaria da Educação do Estado, Nide Nobre, destaca o valor das obras finalistas do AVE. “Os nossos artistas apresentam autorretratos de sua vida estudantil, bem como revelam sua visão de mundo sobre tudo ao seu redor. Não há nada na natureza e na sociedade que escape da sensibilidade deles e eles apreendem o mundo em em preto e branco e em traços coloridos, mostrando a multidisciplinaridade da vida cultural e artística em pinturas que realçam temas diversos”.

Temáticas – Por caminhos distintos e usos de técnicas variadas, acrescenta a coordenadora, os estudantes, independente da linguagem artística, abordam a complexidade e a diversidade da vida cultural, retratando a beleza do mundo oriunda da natureza (o mar, os rios, o sol, as matas, as flores, as aves, as borboletas) e do cotidiano da vida social, das expressões de lugares reais e imaginários, do ambiente escolar e do mundo do conhecimento e das expressões e manifestações culturais (negros, índios, mestiços, mulher, corpo e sedução).

 

Temas como a seca do Nordeste; o desmatamento; a violência contra a mulher, a temporalidade como expressão de vida; as diferenças sociais; a importância da leitura e a liberdade, em uma releitura nas artes visuais de Navio Negreiro, em comemoração aos 170 anos de Castro Alves, entre outros tantos, estarão estampados nos quadros de autoria dos estudantes, no Nivel 6 da Arena, durante o encontro.

 

Artes visuais – Criado em 2008, o Artes Vi­suais Es­tu­dantis (AVE) trata de um pro­jeto pi­o­neiro da Secretaria da Educação do Estado, de ca­ráter edu­ca­tivo, ar­tís­tico e cul­tural, en­volvendo es­tu­dantes do 6º ano do En­sino Fun­da­mental ao 3º ano do En­sino Médio e equi­va­lentes (Edu­cação de Jo­vens e Adultos – EJA, En­sino Normal e Tec­no­ló­gico) da rede es­ta­dual, além de pro­fes­sores de Língua Por­tu­guesa, Arte e dis­ci­plinas afins, co­or­de­na­dores pe­da­gó­gicos, di­re­tores das es­colas e dos Nú­cleos Ter­ri­to­riais de Edu­cação (NTE) e téc­nicos da Se­cre­taria.


Maestro Zé Preto, Zé Benedito, Maestro Tom… Do primeiro autodidata, Macaúbas tem uma vocação impar para a música, a trajetória da Filarmônica Nossa Senhora da Imaculada Conceição, mostra que a música não tem fronteiras e que a dedicação e boa vontade vence qualquer obstáculos… Everton Luiz, ex-musico, inspirado pelo seu Mestre, José Benedito, hoje é músico reconhecido no estado de Goiás, com vários prêmios e condecorações, é motivo de inspiração e orgulho para Macaúbas.

Na noite desta sexta feira (03), Tom, estará regendo a nova geração dos “filhos de Zé Benedito”, às 20h00 no Clube Social, com entrada franca para todos os públicos. Logo após músicos da Família Moreno, outro celeiros de autodidatas e amantes da música, continuará o show.

O evento tem o apoio cultural da Prefeitura de Macaúbas através da Secretaria da Cultura, do Colégio Selma Nunes e do Grupo Criando Arte e realização do Corpo Administrativo da Filarmônica de Macaúbas.

 


A Secretaria da Educação do Estado está disponibilizando uma série de conteúdos educacionais digitais para auxiliar os estudantes na preparação para o Exame Na­ci­onal do En­sino Médio (ENEM), que será realizado nos dias 5 e 12 de novembro. Trata-se do Ambiente Educacional Web (AEW), um espaço pedagógico multidisciplinar, com mais de cinco mil conteúdos digitais registrados em licenças livres, no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br).

Com conteúdos de todas as disciplinas das áreas de conhecimento e de todos os níveis de ensino, o espaço é uma ferramenta acessível para os estudantes, com um sistema de busca fácil e dinâmico. Esses conteúdos digitais são produzidos e/ou catalogados por educadores da Rede Anísio Teixeira. Com acesso público e gratuito, o Ambiente Educacional Webconta, também, com sites temáticos, como a Rede Social Espaço Aberto e o Blog do Professor Web.

O Ambiente Educacional Web também pode ser acessado de dispositivos móveis, como smartphones e tablets, contribuindo para que estudantes e professores ampliem as possibilidades de compartilhar conteúdos educacionais e construir conhecimentos por meio das novas tecnologias da informação e da comunicação. As videoaulas do Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC) também estão disponíveis no Portal da Educação.

Plataforma EDUX – A Secretaria da Educação do Estado também está disponibilizando o Módulo EDUX, que pode ser acessado utilizando computadores ou celulares, através do endereço www.edux.tv. A iniciativa, que é uma parceria da Secretaria com a empresa Liceu Virtual, a operadora OI e a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), beneficia dois mil estudantes de dez escolas da capital. Por meio do módulo, os estudantes estão tendo acesso a diversos conteúdos voltados para as provas, a exemplo de videoaulas, simulados, chat e outros artifícios interativos.

O conteúdo do Módulo EDUX para estudantes dispõe, ainda, de livros digitais interativos, de um banco de questões com notificador do momento de revisar assuntos e sistema interno para rastreamento de carências de aprendizagens e com procedimentos de localização de falhas de aprendizado. A plataforma oferece, ainda, simulado de prova individual no modelo do ENEM por agenda feita pelo estudante, com relatório de tendências de desempenho.


De malas prontas para USA

Um total de 40 professores de Língua Inglesa da rede estadual de ensino foram contemplados com uma bolsa de estudos para o curso de aperfeiçoamento de Inglês da empresa Fulbright Brasil, com duração de seis semanas, nos Estados Unidos. Eles foram selecionados após fazer a prova de proficiência TOEFL para o Programa de Desenvolvimento Profissional de Língua Inglesa nos EUA (PDPI).

Em todo o Brasil, foram selecionados 479 bolsistas e a Bahia foi o Estado que obteve o maior número de contemplados. O curso, que será realizado de 10 de janeiro a 25 de fevereiro de 2018, é financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), em parceria com a Embaixada dos EUA, que arcará com as despesas como visto, passagens, alimentação, hospedagem e material didático.

Os professores farão o curso de acordo com o seu nível (Intermediário I e II) ou Metodologia do Ensino da Língua. A carga horária será de mais de 200h para aperfeiçoamento do idioma e aprendizado de novas formas de atuação em sala de aula, por meio das metodologias vivenciadas. Um grupo de professores terá aulas na University of Kansas, no Estado do Kansas, outro na University of Missouri, no Estado de Missouri e, alguns, em uma universidade localizada em Miami.

A professora Cristhiane Bastos, que leciona Inglês no Colégio Estadual Getúlio Vargas, em Mata de São João, já está na expectava para a viagem. “Estou muito feliz com esta grande oportunidade porque nós vamos vivenciar o que falamos no dia a dia para os nossos alunos. Vamos levar um pouco de nossa cultura e aprender um pouco da cultura deles para depois levar essa experiência para dentro da sala de aula”, destaca educadora, que estudará na University of Kansas.

Igualmente ansiosa para as aulas está a professora Tatiana da Silveira, que ensina Inglês na Escola Estadual Professora Armandina Marques, em Salvador, que também estudará no Kansas. “Esta é uma experiência única e enriquecedora e que serve de estímulo para nós professores, pois iremos nos atualizar e levar novas práticas para serem aplicadas posteriormente com os estudantes”, destaca.