Álcool: alto consumo em Macaúbas tem causado mortes silenciosas…

Como controlar um desejo, uma vontade… Não é fácil. Imagine você controlar um vício?… Parece ser impossível… Vamos aprofundar – imagine controlar uma dependência química…

Escravidão… (Foto dm.com)

Macaúbas, não só por sua população ser a maior da região, mas é proporcionalmente a que mais consome álcool entre todas as cidades vizinhas, tanto é que o índice se mortes, acidentes e doenças crônicas vem preocupando as autoridades estaduais. É certo que não temos um estudo eficiente sobre o tema mas, é notável o grande número que é visto de óbitos envolvendo o consumo de álcool, sem falar em outras drogas… O álcool por ser de fácil acesso, apesar de não ser barato, não precisa esconder atrás da “moita”, nem nos “becos” para seu uso, pelo contrário quem o consume, prefere ser evidenciado, ninguém quer mais ficar no “reservado do buteco”… Ir numa festa e não beber é fim de mundo, principalmente para o público jovem, que é o mais frágil entre os consumidores…

O consumo de álcool, não mata da noite para o dia, ela é silenciosa, é por isso que causa tanta dependência… O seu consumo sem controle, não causa apenas a morte de seus usuários, vem destruindo famílias inteiras, traumatizando crianças, separando casais e transformando lares num verdadeiro inferno… Pior é que o usuário não percebe que já é um viciado, o que torna o tratamento mais difícil, no entanto, não impossível, mesmo que se trate da famosa dependência química.

Veja abaixo as principais doenças causadas pelo consumo excessivo do álcool, entre eles a impotência sexual.

1) Disfunção erétil

O alcoolismo é a principal causa de redução do desejo sexual, ejaculação precoce e disfunção erétil. De acordo com uma pesquisa, 72% dos alcoolistas reclamaram de um ou mais problemas em sua sexualidade. A principal razão para estes problemas é que o álcool tem efeito depressor sobre o sistema nervoso.

Outros problemas causados pela dependência de álcool é a infertilidade, a diminuição ou ausência da menstruação e problemas na qualidade dos espermatozoides.

2) Hepatite alcoólica

Considerada uma doença pré-cirrose, a hepatite alcoólica é uma doença inflamatória e degenerativa do fígado. Ela geralmente se desenvolve em alcoolistas que consomem pelo menos 80 g de álcool etílico ao dia, durante pelo menos cinco anos ou mais. A taxa de mortalidade da doença é estimada em até 13,5% nos casos leves e até 55% nas formas graves da doença.

Todos os alcoolistas podem desenvolver hepatite alcoólica, embora as mulheres sejam as mais suscetíveis. Entre os principais sintomas estão: náuseas, olhos e a pele amarelada, febre, perda do apetite, vômito com sangue e palidez.

3) Câncer

A dependência de álcool faz com que aumentem os riscos de câncer, especialmente no fígado, na laringe, na boca, no esôfago, no pâncreas e na faringe. Algumas hipóteses para que isso ocorra é que o álcool provoque danos em tecidos do corpo, reduza os níveis do ácido fólico e outros nutrientes e tenha efeitos sobre o estrogênio ou outros hormônios.

4) Pancreatite

A pancreatite também está entre as doenças causadas pelo alcoolismo mais comuns. O pâncreas é responsável pela produção de insulina e de enzimas que auxiliam a digestão, bem como é responsável por regular os níveis de açúcar no sangue e participar em outras reações metabólicas importantes para o organismo.

A pancreatite é uma inflamação da glândula do pâncreas, podendo ser classificada como aguda ou crônica. No caso dos alcoolistas, o mais comum é aparecer na forma crônica, quando as enzimas digestivas atacam e destroem o pâncreas e tecidos vizinhos, causando cicatrização e dor.

5) Problemas cardiovasculares

O alcoolismo favorece o aumento da pressão arterial (hipertensão), arritmia cardíaca, insuficiência cardíaca e aumentam as chances de um acidente vascular cerebral (AVC) e morte súbita.

6) Cirrose hepática

A cirrose hepática é uma das doenças causadas pelo alcoolismo com maior incidência. Trata-se de uma doença sem cura, caracterizada pela presença de tecido grosso (fibrose) e nódulos no fígado, fazendo com que as funções do órgão sejam comprometidas, como a metabolização de medicamentos.

 

7) Demência de Korsafoff

A Demência de Wernicke-Korsakoff está dentre as doenças causadas pelo alcoolismo que mais afetam cognitivamente o dependente de álcool. Isso ocorre porque a doença prejudica o Sistema Nervoso Central e periférico, apresentando sintomas como prejuízo em memória e aprendizagem, confusão mental, amnésia parcial anterógrada e retrograda, ataxia (perda da coordenação e equilíbrio dos movimentos musculares voluntários), oftalmoplegia (paralisia ou fraqueza em um ou mais músculos oculares), além de lesões em estruturas cerebrais como o hipotálamo e hipocampo.

8) Imunidade baixa

O alcoolismo pode provocar baixa imunidade, ou seja, as defesas naturais do organismo não conseguirão barrar ‘intrusos’. Com isso, o alcoolista pode ficar mais suscetível a doenças como pneumonia, tuberculose e infecções.

9) Polineuropatia alcoólica

Polineuropatia significa doença (patia) de múltiplos (poli) nervos (neuro), e é uma doença dos nervos que saem da medula, em que os nervos mais longos são afetados de forma simétrica (isto é, os dois lados do mesmo jeito e ao mesmo tempo), e de forma ascendente (ou seja, o problema começa nos pés, e sobe de forma progressiva, ao longo de semanas a meses, podendo afetar as mãos, braços, e mesmo o tórax e abdome).

O abuso de álcool provocado danos aos nervos, podendo se manifestar através de vários sintomas, como dormência e formigamento dos pés e pernas, dor espontânea (sentir dor através de estímulos que normalmente não provocam dor, como vestir uma calça), atrofia muscular e perda de equilíbrio.

10) Anemia

A anemia é uma das doenças causadas pelo alcoolismo mais comuns. Estima-se que 40% a 60% dos alcoolistas apresentam a doença. Uma das explicações para isso é o fato de que o álcool é uma boa fonte de energia, o que faz com que dependente de álcool, por vezes, não faça uma refeição balanceada, favorecendo a carência de nutrientes importantes, como o ácido fólico.

Outros fatores que colaboram para a anemia de um dependente de álcool são as doenças de origem gástrica ou hepáticas, quando há hemorragias, por exemplo.


Os comentários estão fechados.